Mercado de Óleo e Gás: as vantagens do Micro CT

No final do mês de setembro de 2019, foi realizado um leilão de blocos de petróleo e gás. Tal leilão garantiu uma arrecadação de mais de R$ 3,84 bilhões em bônus, segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Ao todo foram 17 empresas a arrematarem áreas para exploração, sendo 7 delas estrangeiras. Dentre os blocos arrematados, apenas dois foram pelo consórcio Petrobras/ExxonMobil na Bacia de Campos sendo responsáveis por R$ 3,6 bilhões da arrecadação total.

De acordo com a ANP, esse foi “o maior bônus de assinatura da história” em um leilão de concessão. A 14º Rodada de Licitações de Petróleo e Gás ofertou 287 blocos de exploração, sendo divididos em 29 setores de nove bacias sedimentares, totalizando uma área de 123 mil quilômetros quadrados.

Dentre as 32 empresas inscritas para participar do leilão, 18 são empresas estrangeiras e estão no páreo correntes da Alemanha, Austrália, Canadá, China, Espanha, Estados Unidos, França, Índia, Malásia, Reino Unido, Rússia e Tailândia.

Segundo o titular da Secretaria-Geral da Presidência e coordenador do Programa de Parceria de Investimentos (PPI), o ministro Moreira Franco, o leilão de óleo e gás foi “o maior sucesso”.


“Hoje nós tivemos um dia extremamente importante para a economia brasileira e, sobretudo, para a economia do estado do Rio de Janeiro. O leilão de óleo e gás foi o maior sucesso. Foi a recuperação da importância do setor na economia, setor que é responsável por 13% do PIB”, disse o ministro.


Com o avanço constante do setor de petróleo e gás é preciso estar sempre a frente das novas tecnologias. No sentido de entender melhor as condições exploratórias e verificar sua rentabilidade, existe a Microtomografia de Raio X, também conhecido como micro CT.


Mas o que é Microtomografia de Raio X?


Em uma das primeiras fases do processo de exploração e produção do petróleo há a realização de estudos geológicos e geofísicos para determinar as características de uma bacia sedimentar, visando entender se esta possui potencial de acumulação de hidrocarbonetos.


Um poço exploratório pioneiro, ao ser perfurado, investiga-se o acúmulo de hidrocarbonetos nas formações alvos através das análises do cascalho proveniente da perfuração, medições com ferramentas de perfilagem geofísica, teste de produção da formação e análise de testemunhos.


As rochas reservatórios carbonáticas equivalem a mais de 60% das reservas de óleo e gás conhecidas no mundo. Estas se tratam de rochas sedimentares com porosidade e permeabilidade suficientes para armazenar e permitir o fluxo de hidrocarbonetos.


Nesse sentido, é possível notar a importância da caracterização das rochas reservatórios. Sendo componente fundamental em um projeto de exploração e produção de hidrocarbonetos, pois uma vez colhidas as informações elas embasarão decisões críticas do projeto.


Atualmente diversas técnicas laboratoriais são utilizadas a fim de caracterizar e quantificar os sistemas porosos destes reservatórios, no entanto, tais experimentos na sua grande maioria demandam de um elevado tempo para aquisição dos resultados e tais técnicas costumam ser destrutivas.


Nesse sentido, a aplicação da microtomografia de raios-X (MRX) – também conhecida como micro-CT - por meio da aquisição e processamento de imagens tridimensionais na escala dos poros da amostra, em geral demandando pouca ou nenhuma preparação, permitindo a criação de um modelo digital tridimensional da rede de poros e associações minerais para o estudo das fácies litológicas e suas microestruturas.


A análise por micro-CT é também uma nova tecnologia que vem substituindo análises demoradas e destrutivas

Assim, a aplicação da MRX proporciona novas perspectivas para a avaliação da heterogeneidade das rochas e simulação do fluxo no meio poroso.


E como funciona?


O micro-CT funciona como outros detectores por raios X. Tem-se uma fonte emissora de fótons, criada artificialmente a partir da aceleração de elétrons contra um material metálico de alto número atômico. Como resultado temos uma radiação eletromagnética de alta frequência, pequeno comprimento de onda e alto poder de penetração.


Esses fótons são emitidos e passam pelo objeto a ser analisado. Quando isso ocorre, eles são atenuados em intensidades distintas, dependendo das diferenças entre os coeficientes de atenuação linear das fases contidas no objeto. A densidade e o número atômico efetivo dos objetos são os principais fatores que determinam o grau de absorção dos raios X.


Uma vez absorvido pelo detector, os fótons são espelhados e as informações geradas são transmitidas para o computador. Esse procedimento é repetido em todos os ângulos do objeto, pois ele é rotacionado. Assim, o computador é capaz de gerar imagens micrométricas do objeto em 3D.


Importância para Petrofísica ​


A petrofísica estuda as análises e medidas das propriedades das rochas reservatório, buscando entender suas condições de produtividade.

Nesse sentido, a análise por micro-CT trouxe grandes vantagens a essa área. Os métodos tradicionais para análises de porosidade das rochas reservatório desprendem muito tempo e trazem resultados limitados. Dessa forma, o micro-CT fornece uma técnica rápida e mais detalhada de avaliação, sendo não destrutiva e fornecendo, ainda, uma imagem interna tridimensional.


O fato da análise por microtomografia não danificar a amostra é a maior vantagem desta metodologia. Uma vez que a obtenção dessas amostras, tais como plugues e testemunhos, são extremamente caros para as empresas do ramo. Assim, o estudo dessas características pode ser feito e a alíquota pode ser devolvida ao cliente que poderá utiliza-la para outros fins.

Related posts:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *