desastreambientalemmariana1

Desastre Ambiental em Mariana

Dia 5 de novembro de 2015, há aproximadamente seis meses, uma data para nunca mais esquecer, pois pouquíssimas vezes o mundo viu uma brutalidade tão grande em um desastre ambiental. Sim, estamos falando do desastre ambiental em Mariana (MG), envolvendo a mineradora Samarco.

Nesse contexto, a mineradora utilizava três barragens para os rejeitos da sua produção de ferro, até que a barragem de Fundão rompeu-se, derramando 62 milhões de metros cúbicos de lama de rejeitos no distrito de Bento Rodrigues. Após passar por esse distrito, foi a vez do rio Doce, onde se viu esse lodo percorrer centenas de quilômetros até desaguar no Oceano Atlântico na Vila de Regência, em Linhares, Espírito Santo.

O rompimento de uma única barragem, de três que haviam no local, foi capaz de destruir Bento Rodrigues e causar mortes mortes também. Estima-se que cerca de 80% das construções desse distrito foram arrasadas. Com isso, atualmente, moradores dessa região que saíram as pressas para não voltar mais,decidem onde será reerguido o novo distrito.

Algumas complicações da catástrofe

O desastre não gerou grandes problemas só para o distrito de Bento Rodrigues, mas sim para toda bacia do rio Doce e para o litoral do Espírito Santo e ao sul da Bahia. Especialistas dizem que água desse rio não tem mais utilidade alguma, não podendo ser usada para irrigação, afetando os agricultores próximos, o consumo animal, afetando a pecuária da região, e até o consumo humano, fazendo diversas cidades cortarem o abastecimento por bastante tempo.

As cidades que ficavam ao redor do rio Doce tiveram que rever onde buscariam água para abastecimento da cidade e como tratariam a água contaminada com rejeitos de mineração. Contudo, houve uma classe de trabalhadores que foi prejudicada por completa: os pescadores. Eles estão impossibilitados de pescar, pois houve grande mortandade dos peixes, que se amontoam às margens.

Quando a lama desaguou no mar na Vila de Regência, cidadãos dessa cidade ficaram muito preocupados. Preocupação esta que era provida de fundamento, já que a região era abastecida pelo turismo, ligado fortemente à prática do surfe. Preocupação esta que se concretizou em um problema real, pois a água do mar foi declarada imprópria para banho e, portanto, para a prática do esporte. Com isso, o turismo praticamente acabou na região.

Dentre as diversas especulações acerca das possíveis causas do rompimento das barragens em Mariana (MG) está o aumento da produção de exploração de minério, e consequentemente o aumento do volume de resíduos depositados na barragem. Durante o processo de mineração ocorre a geração de diversos resíduos.

Resíduos da mineração

Dentre os resíduos produzidos estão os líquidos, os sólidos e a lama. Os líquidos são produzidos durante as etapas de lavagem de equipamentos e pátios. Os sólidos são caracterizados como arenosos. A lama é composta principalmente por minério de ferro e sílica e é o principal resíduo armazenado nas barragens. A manutenção e monitoramento dessas barragens é cara e dispendiosa. Uma solução que pode otimizar tal processo e até mesmo aumentar o lucro gerado é a gestão de resíduos.

Como a gestão de resíduos poderia auxiliar?

A gestão de resíduos consiste em analisar cada etapa do processo e buscar estratégias alternativas para a diminuição da geração de resíduos ao longo da produção. Dentre as mais variadas estratégias possíveis para esse cenário, está o reaproveitamento da lama, rica em sílica, o processo de beneficiamento da sílica é de grande aplicação industrial para fins de construção civil, como por exemplo, a produção de blocos de concreto.

Segundo a Fundação Estadual de Meio Ambiente (Feam), a mineradora Minerita ganhou o reconhecimento de “Boa prática Ambiental” em seu projeto de beneficiamento de sílica para uso na área de construção civil. Esse projeto acarretou em uma recuperação de cerca de 13% do total de rejeitos lançados em sua barragem.

Diante desse cenário devastador e alarmante, questiona-se quais medidas estratégicas e serviços poderiam evitar e reverter tal situação. Dessa forma, uma gestão inteligente dos resíduos transformaria um material que inicialmente seria descartado e poderia ser um agravante para um dos maiores desastres ambientais da história do país em uma fonte lucro para a mineradora.

Para saber mais sobre ações de impacto no meio ambiente, confira o seguinte texto:

A Eficácia do Coprocessamento na Gestão de Resíduos

ASSINE A NOSSA NEWSLETTER!

Receba nossos conteúdos exclusivos no seu email!

Related posts:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *